Quatro paredes

O desconhecimento atrai-me.
O conhecimento oprime-me.
Nada nele existe de novo
Que me possa fazer sonhar.

O futuro, não o sei.
O presente, vivo-o agora.
Algo mais inteiro do que não saber
O que me trará a próxima hora?

No complexo do meu ser,
Vivem as minhas quatro paredes.
Dentro delas, somente eu
Poderei saciar as suas sedes!

São estes os limites
De tudo aquilo que penso.
Que não são limites alguns…
Pedaços de um ser intenso!

 

23/07/14

Uma noite em claro

Gostava de conseguir dormir.
De poder provar o que é dormir.
Saber por onde ir
Sem pensar no caminho para vir.
Agarrar a vontade de sorrir
Sem ter que fingir.
Querer ao céu subir
E o meu Sonho sentir.
Amar e não me iludir
Com quem ousa mentir.
Ser capaz de me deixar ir,
Não querendo de ninguém fugir.
E se porventura desejar fugir,
Que não seja de mim.
Fria evidência de que cheguei ao fim!

 

16/06/14

Redenção

As palavras são a voz da Alma.
Que se dane a métrica.
Não é ela que traz ética
À prática poética.
Não é ela que traz alento
A quem se consome pelo sentimento.

Sou do tamanho do meu Sonho
E de todos os meus valores.
E não do tamanho das palavras
Que expressam as minhas dores.

Se vale a pena assim escrever
É porque nisso sinto paixão.
Nada mais com isto alcanço
A não ser a nobre redenção
Perante este mundo que me deu a mão.

 

03/07/14